Amante dos livros e sonhadora: Estudante vítima de bala perdida no Rio deixa filha de nove meses

  • Arquivo Pessoal

Isabel completa nesta sexta-feira (26) nove meses de vida. A mãe dela, que organizava uma festinha para celebrar a data, morreu dois dias antes –vítima de bala perdida. Lorraine Xavier, que tinha 18 anos e morava na Vila Aliança, em Bangu, zona oeste do Rio, foi atingida a cinco minutos de distância de casa. Além de cursar o ensino médio na rede pública, Lorraine ajudava a tia a tocar uma loja de artigos de festa.

Uma das primas da estudante, que pediu para não ser identificada, descreveu a jovem como uma pessoa família. “Era uma jovem criada na comunidade, mas não gostava de baile. Ela era alegre, adorava viver. Fazia tudo pela sua filha. Família era tudo para ela.”

Lorraine morava com a mãe, com a irmã e o padrasto. Nas redes sociais, gostava de compartilhar trechos de poemas. De acordo com parentes, passava vários sábados na companhia de livros e xícaras de café com leite. Um de seus sonhos era se tornar engenheira.

O tio Leandro Ferreira, que esteve na manhã de quinta-feira (25) no IML (Instituto Médico Legal), destacou como a gravidez da sobrinha foi importante para transformar a vida dela.

“Ela voltou a estudar. Sonhava com um emprego de carteira assinada para conseguir sustentar a filha. Agora, vamos passar a dar mais amor a essa criança. Ela vai crescer ouvindo coisas muito boas da mãe dela.”

Lorraine completaria 19 anos daqui a dois meses. Joanna Danielle, amiga da família, descreveu a estudante como uma jovem muito dedicada a filha. “Era uma menina mulher cheia de sonhos. Era muito humana, estudiosa. Não queria deixar faltar nada para a filha”, afirmou.

Investigações

A Divisão de Homicídios investiga a morte de Lorraine. Ela foi atingida pelas costas durante troca de tiros entre PMs e traficantes na última quarta-feira (24). Agentes buscam testemunhas e imagens de câmeras de segurança que possam ajudar nas investigações da morte da jovem.

Segundo o comandante do 14º BPM, coronel Marcos Amaral, os policiais foram checar uma informação passada pelo Disque-Denúncia de que drogas estavam escondidas em uma igreja evangélica. Quando chegaram à comunidade, os policiais foram recebidos a tiros.

“Fizemos uma ação em busca de drogas na região e ao chegar no local fomos recebidos a tiros pelos traficantes. Os policiais revidaram. Somente depois que a operação acabou recebemos a informação de que duas jovens tinham sido feridas, disse o comandante.”

Lorraine Xavier chegou a ser levada para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, mas não resistiu. A outra jovem, atingida no braço, foi levada para o mesmo hospital. Depois de ser atendida, ela seguiu para a delegacia para prestar depoimento.

A ação da PM deixou ainda 4 mil estudantes sem aulas na quarta-feira (24) –sem segurança, as escolas da região preferiram não abrir as portas.

Bala perdida: 3 casos em 3 dias

Lorraine foi a terceira vítima de bala perdida em apenas três dias.

Na noite de segunda-feira (23), a adolescente Rebeca Melo, de 15 anos, foi morta no bairro de Jardim América, zona norte do Rio. A Polícia Militar fazia uma operação nas comunidades do Dique e Furquim Mendes quando foi atacada numa localidade conhecida como Iraque.

Segundo a PM, os policiais faziam uma operação de combate ao roubo de carga na favela. Um caveirão chegou a ser acionado para dar apoio à ação e também foi alvo de disparos. Rebeca foi levada para o Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu.

No mesmo dia, um homem foi atingido na avenida Dom Hélder Câmara, em Cascadura, também na zona norte do Rio. Ele foi levado para o Hospital Salgado Filho, no Meier e não há informações sobre o seu estado de saúde.
 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*