Após intervenção no RJ, secretários de Segurança de SP, MG e ES pedem reunião com ministro da Justiça

Estados vizinhos temem fuga de criminosos do Rio

Estados vizinhos temem fuga de criminosos do Rio

Após o governo federal decidir intervir na segurança pública do Rio de Janeiro, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, informou à TV Globo nesta sexta-feira (16) ter sido procurado pelo secretário de Segurança de Minas Gerais, Sérgio Barboza Menezes, para que haja uma reunião entre eles e os secretários de São Paulo e Espírito Santo para discutir o assunto.

Segundo o ministro da Justiça, os três estados estão preocupados com os efeitos da intervenção e querem discutir como evitar a fuga de criminosos do Rio para os estados vizinhos. De acordo com Torquato Jardim, a reunião acontecerá na próxima quinta (22).

Mais cedo, nesta sexta, o presidente Michel Temer assinou o decreto que permitirá às Forças Armadas comandar as ações de segurança pública no Rio de Janeiro. Pelo decreto, a intervenção vai durar até dezembro deste ano.

Segundo o presidente, a intervenção no estado foi “construída em diálogo” com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

O ministro da Justiça, Torquato Jardim (Foto: Isac Nóbrega/PR)O ministro da Justiça, Torquato Jardim (Foto: Isac Nóbrega/PR)

O ministro da Justiça, Torquato Jardim (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Em pronunciamento exibido na TV na noite desta sexta, Temer afirmou que o objetivo do governo federal é dar “respostas duras e firmes”, adotando “todas as providências necessárias para derrotar o crime organizado e as quadrilhas”.

Também nesta sexta, logo após Temer assinar o decreto, Pezão disse que, inicialmente, havia pedido a implantação da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada, medida diferente da adotada por Temer. Mas, segundo Pezão, o governo federal insistiu que a intervenção seria necessária.

Segundo a colunista do G1 Andréia Sadi, Pezão teve de ser convencido a aceitar a intervenção.

Validade do decreto

Com a publicação do decreto no “Diário Oficial”, a intervenção no Rio de Janeiro já está em vigor, mas precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional para continuar valendo.

A votação na Câmara já está marcada para a próxima segunda (19). Depois, caberá ao Senado analisar o assunto.

INTERVENÇÃO FEDERAL NO RJ

Deixe uma resposta