Como evitar lesão por pressão em pessoas com dificuldade de mobilidade

Foto: Divulgação

Folha Vitória

Folha Vitória Folha Vitória

Pessoas idosas estão suscetíveis ao aparecimento das escaras. 

As lesões por pressão, conhecidas popularmente como escaras, são feridas que podem aparecer em diversas regiões de apoio do corpo, daí o nome “por pressão”, especialmente atrás da cabeça, nas costas, na articulação do quadril, no cóccix, nas nádegas, cotovelos e calcanhares. Pessoas em cadeiras de rodas ou acamadas estão mais sujeitas a desenvolve–las, e todo cuidado deve ser tomado para evita-las, pois elas podem infeccionar ou até necrosar, trazendo risco de morte.

“Para prevenir as lesões por pressão, a principal medida a ser tomada é a de mudar a posição das pessoas acamadas ou com dificuldade de movimentos a cada duas horas. Esse procedimento alivia os pontos de pressão da pele nas áreas de maior risco. Pessoas em cadeiras de rodas, que permanecem sentadas durante muito tempo, devem mudar de posição com mais frequência, a cada dez ou quinze minutos, pois a pressão em determinados pontos é ainda maior quando estamos sentados”, disse a especialista em geriatria, Katharine Colombo.

O grupo de maior risco são as pessoas idosas que passam muito tempo na mesma posição, acamadas ou imobilizadas durante muito tempo, as desnutridas, as portadoras de diabetes, incontinência fecal e urinária, aquelas com comprometimento do nível de consciência ou perda da sensibilidade tátil ou térmica e os cadeirantes.

“Algumas medidas preventivas são indispensáveis, como a higiene e hidratação da pele, que deve ser mantida sempre limpa e seca, a dieta deve ser balanceada e rica em proteínas. A fisioterapia deve ser realizada diariamente”, disse a enfermeira e CEO da Intermed Saúde, Lígia Aigner.

Lígia deu algumas dicas importantes para evitar o surgimento das tão temidas e realmente perigosas lesões por pressão, como:

– usar preferencialmente colchões pneumáticos e almofadas de proteção para aliviar a pressão nas regiões mais vulneráveis à compressão;

– examinar a pele de todo o corpo, especialmente nos pontos de pressão;

– não esfregar a pele durante os cuidados básicos de higiene pessoal;

– secar bem a pele depois do banho e hidratá-la convenientemente de acordo com tipo de pele;

– dar preferência à roupa de cama de algodão, que deve ser bem esticada e livre de dobras que possam pressionar ou macerar a pele;

– trocar com frequência as fraldas dos pacientes com incontinência urinária ou fecal;

– estimular a movimentação respeitando sempre as possibilidades físicas e motoras do paciente.

De acordo com a enfermeira, Geane Caetano as lesões por pressão podem ser classificadas de acordo com grau e gravidade, conforme a Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia, podendo ser:

Grau 1: Vermelhidão na pele que, mesmo após o alívio da pressão, não desaparece;

Grau 2: Perda da integridade parcial da pele, podendo também se apresentar como uma bolha intacta;

Grau 3: Perda da integridade total da pele, com visualização da gordura;

Grau 4: Perda da integridade total da pele, com acometimento de estruturas profundas da pele, músculo, tendão, ligamento, cartilagem ou estrutura óssea, estando elas expostas ou palpável.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: