Egito condena 75 à pena de morte por participação em protestos

Tribunal condenou 75 pessoas à pena de morte

Tribunal condenou 75 pessoas à pena de morte Reprodução/REUTERS/08.09.2018

Um tribunal egípcio determinou pena de morte neste sábado (8) para pelo menos 75 pessoas — incluindo líderes islâmicos proeminentes — por participarem de protestos em 2013 que terminaram com a expulsão do presidente democraticamente eleito Mohamed Morsy. As informações são da agência de notícias Reuters.

Os condenados foram acusados de delitos relacionados à segurança pública, incluindo incitação à violência, assassinato e organização de protestos ilegais.

Grupos de direitos humanos vêm criticando a condenação à morte e o julgamento em massa das mais de 700 pessoas no que ficou conhecido como o caso Rabaa — em alusão à praça Rabaa Adawiya, em Cairo, onde aconteceram as manifestações em 2013.
Os sentenciados pelo tribunal egípcio devem ser enforcados, segundo a Reuters.

A Anistia Internacional afirma que pelo menos 800 manifestantes foram mortos pelas forças de segurança do Egito em 2013, mas o governo diz que muitos dos ativistas estavam armados e acabaram por assassinar 43 policiais.

Desde que o presidente militar Abdel Fattah al-Sisi subiu ao poder, em agosto de 2013, as autoridades têm justificado o uso da força como medida preventiva para conter terroristas que tentam derrubar o governo. Centenas de opositores de al-Sisi já foram condenados a morte sob acusações de pertencerem a organizações ilegais ou planejarem ataques terroristas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: