Entenda por que, mesmo com US$ 11 milhões, River pode não levar Pratto

A imprensa argentina tem noticiado desde o mês passado que o River Plate prepara uma oferta de US$ 11 milhões (R$ 35,78 milhões) por Lucas Pratto, que pode chegar a US$ 13 milhões (R$ 42,29 milhões), segundo TyC Sports, com bônus por metas atingidas. Se o clube chegar com qualquer um desses valores, não há obrigação do São Paulo de fazer a negociação.

Existe uma cláusula que obriga o São Paulo a cobrir propostas por Pratto (Foto: Rubens Chiri/São Paulo)

Existe uma cláusula que obriga o São Paulo a cobrir propostas por Pratto (Foto: Rubens Chiri/São Paulo)

Foto: LANCE!

O Tricolor detém 50% dos direitos econômicos do atacante e, quando comprou essa porcentagem do Atlético-MG, foi acertado um valor que, se chegasse uma proposta igual ou superior, o São Paulo teria a obrigação de cobri-la para manter Pratto. E a quantia é mais alta do que a especulada em Buenos Aires: 11 milhões de euros, ou R$ 42,98 milhões em conversão feita com índices do Banco Central do Brasil nessa quarta-feira.

Essa cláusula passa a valer neste mês e foi confirmada pelo presidente Carlos Augusto de Barros e Silva. Em junho, quando Mauro Lopes, representante de Pratto no Brasil, falou da intenção do Veracruz, do México, de fazer uma oferta de 20 milhões de euros (cerca de R$ 73 milhões na época), Leco citou esse aspecto do contrato para garantir que o argentino seguiria no Tricolor.

Neste cenário, a saída de Pratto só ocorreria nos valores especulados em Buenos Aires se o atacante fizer força para sair, como indicou o jornal Clarín, usando como argumento declarações do empresário do atacante, Gustavo Goñi, de que seu cliente veria uma mudança para a Argentina com bons olhos, para estar mais perto da filha. Mas o próprio Goñi já deixou claro que o São Paulo não quer vender o jogador.

A diretoria tricolor, na verdade, pode aumentar seu percentual sobre Pratto nos próximos dias. O São Paulo pagou 6,2 milhões de euros (R$ 20,7 milhões) ao Atlético-MG em fevereiro por 50% dos direitos de Pratto e pode pagar 1,5 milhão de euros (R$ 5,9 milhões) neste mês por mais 15%. A medida, com o mesmo valor, se repete em janeiro de 2019 e 2020, dando ao Tricolor a chance de ficar com 95% dos direitos dele – os outros 5% são do supermercado BH.

Assim, o atacante de 29 anos segue cumprindo seu contrato, válido até 29 de janeiro de 2021. Pratto se apresentou normalmente ao lado do elenco depois das férias na manhã dessa quarta-feira e segue treinando sob o comando de Dorival Júnior de olho na primeira partida oficial do clube, no dia 17, contra o São Bento, em Sorocaba, pelo Campeonato Paulista.

LANCE!
compartilhe
comente

  • comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: