Estrada sem manutenção prejudica produção agrícola de Itapetininga

Trecho no Distrito Morro do Alto dificulta o transporte dos produtos da região, dizem agricultores. Prefeitura afirma que faz obras de reparo no local.

A produção agrícola de Itapetininga (SP) está sendo afetada pelas más condições da estrada que liga o Distrito Morro do Alto, zona rural de Itapetininga (SP), às rodovias e à região central do município. Segundo agricultores, como os caminhões têm dificuldade para trafegar pelo trecho, muitas empresas deixam de comprar com os produtores do distrito. “Está muito difícil. Quem é produtor aqui está sofrendo muito porque nossos produtos estragam e a gente não consegue vender, pois não tem como entrar aqui para comprarem”, lamenta a produtora rural Miriam Santana da Silva.

A Prefeitura de Itapetininga afirma que nesta terça-feira (2) uma reunião foi realizada com representantes do Distrito Morro do Alto para definir as prioridades e quais reparos necessários na região. Obras como reparos de buracos e valetas, drenagem e para o escoamento de água da chuva já estão em andamento, completa o Executivo.

O marido da produtora Miriam Santana da Silva, o também agricultor Agemir de Deus Brito, é produtor de leite de vaca. Por dia são extraídos cerca de 300 litros de leite no sítio dele. Porém, para produzir e vender bem o agricultor não depende só dele. Isso porque a empresa que compra o produto está com dificuldades de retirá-lo por causa da má conservação da estrada. Agora, ouve com frequência reclamações dos compradores. “Antes podia estar chovendo bastante e você ia embora, não tinha problema nenhum, mas de dois anos pra cá, está desse jeito [em más condições]”, afirma Brito.

O morador Gean Carlos confirma que a situação já foi melhor na estrada que liga o bairro ao “resto do mundo”. Vivendo no local desde a década de 1990, Gean Carlos reclama que hoje em dia a estrada fica intransitável quando chove por causa dos buracos. Ele afirma que a prefeitura já fez a manutenção em alguns trechos, mas que há muito ainda a fazer. “Temos esperança que a gente do meio rural seja mais bem atendido nessa gestão”, espera o morador.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*