Família coloca casa à venda para pagar remédios da filha

Folha Vitória

Folha Vitória Folha Vitória

Pablo Nascimento, do R7

Uma família de Itabira, na região central de Minas Gerais, tomou uma decisão extrema para conseguir pagar pelos medicamentos da filha doente: vender a casa onde eles vivem.

Hethaly Bárbara Marques, de 23 anos, foi diagnosticada há 10 meses com aplasia de medula óssea, uma doença rara que causa destruição do órgão. Segundo o médico hematologista Guilherme Campos, é possível alcançar a cura com uso de medicamentos imunossupressores, mas a paciente não respondeu bem ao tratamento.

Assim, a única possibilidade que resta para Hethaly livrar-se da enfermidade é um transplante de medula de um doador 100% compatível.

— A esperança era que a irmã dela fosse compatível, mas o resultado do exame não mostrou isso.

Alívio

Até que encontre a pessoa certa para ceder a medula, Hethaly sofre com os sintomas da aplasia, que causa disfunção na produção sanguínea, atacando o sistema imunológico e gerando frequentes quadros de anemia grave. Campos explica que o único remédio que conseguiu aliviar o quadro da estudante foi o chamado Eltrombopag.

— Ele vai melhorar a qualidade de vida da paciente até lá, mas ela ainda precisa do transplante.

A coletadora de lixo Silvana Alves Marques, mãe da paciente, desabafa que, apesar de ter encontrado uma solução paliativa para o problema da filha, foi desesperador saber que o medicamento custa R$ 4.800 e a caixa dura apenas quatro dias. Com a divulgação do caso na internet, várias pessoas se mobilziaram para arrecadar dinheiro para família. Ainda assim, Silvana conta que a única solução encontrada por ela e o marido, que é motorista de ônibus, foi colocar a casa onde eles moram à venda.

— Nós pensamos em vender o carro, mas os médicos disseram que ele era necessário para transportar a Hethaly. O que sobrou foi a casa. O que mais doi é saber que o remédio deu certo para ela e nós não temos dinheiro para comprar.

Justiça

O remédio é novo no mercado e não está na lista de medicamentos de distribuição obrigatória do SUS (Sistema Único de Saúde). Por isso, a família recorreu à Justiça para garantir o direito de recebê-lo. No entanto, segundo Alexandre Eulálio, advogado que acompanha o caso, a batalha tem sido tortuosa para os pais.

— O pedido foi negado em Primeira Instância, mas conseguimos uma liminar do Tribunal Regional Federal da Primeira Região determinando o fornecimento do medicamento. A juíza já mandou o cumprimento da decisão, mas quase dois meses depois, nada foi feito.

Procurada, a Secretaria de Estado de Saúde informou que ainda não foi notificada sobre o caso. A reportagem ainda aguarda resposta da prefeitura e do Governo Federal sobre o assunto.

Confira a nota o Governo de Minas na íntegra:

“A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa que o caso mencionado trata-se de ação proposta contra a União, o Estado de Minas Gerais e o Município de Belo Horizonte. Até o momento, não consta cadastro da ação na SES-MG, o que indica que o Estado de Minas Gerais ainda não foi intimado da decisão.”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: