Gangue de brasileiros entregava drogas em Londres, diz polícia

As prisões foram feitas pela Polícia Metropolitana de Londres

As prisões foram feitas pela Polícia Metropolitana de Londres Flickr/Yukiko Matsuoka/CC BY-SA 2.0 – 13.04.2014

Uma gangue composta por seis brasileiros que, segundo a polícia, entregava drogas em toda Londres está sendo julgada por um tribunal da cidade. O grupo utilizava os serviços de courier de ciclistas, linhas de celulares dedicadas e apartamentos alugados do Airbnb como centros de distribuição. Os pedidos eram entregues em até 10 minutos, segundo as autoridades.

A investigação encontrou evidências de que o grupo lucrou cerca de R$ 12,4 milhões (2,5 milhões de libras) com a operação na capital inglesa.

A gangue possuía até um “menu das drogas” que incluía cocaína, ecstasy e anfetamina, e as enviava para clientes em pacotes fechados. Cerca de 30 entregas por dia eram feitas, segundo provas entregues no tribunal.

LEIA TAMBÉM

Operário destrói lobby de hotel com escavadeira na Inglaterra

Grávida é morta com flechada, mas bebê sobrevive na Inglaterra

Os ciclistas geralmente partiam de apartamentos alugados do Airbnb, uma tática utilizada para evitar detecção. A gangue começou a ser investigada após a polícia apreender o celular de um dos entregadores em uma operação rotineira de trânsito.

O grupo passou a ser vigiado em uma operação que culminou com a invasão de três centros de armazenamento da gangue e apreensão de R$ 14,8 milhões em drogas, em julho passado. Segundo a polícia, 14 pessoas foram presas no início de agosto de 2018.

Junto com as drogas, também foram encontrados celulares utilizados apenas no comércio ilegal, e um “manual de negócios” de 10 páginas do grupo, com detalhes sobre a conduta dos integrantes da gangue e até pagamento por comissão para quem vendesse mais.

Segundo o jornal inglês Evening Standard, no manual estava especificado que era “crucial que cada entrega demorasse apenas 10 minutos” e que os ciclistas não chamassem atenção para si mesmos, “esperando na porta sem falar alto”.

Nas provas apresentadas aos jurados durante os depoimentos, consta que a gangue era auxiliada por “ex-policiais e um advogado, encarregados de construir uma rede de segurança”.

A estrutura empresarial altamente especializada chamou a atenção dos policiais. O grupo pretendia “se destacar no mercado” e contava com “o profissionalismo dos envolvidos para sempre crescer em renda”.

Souellen Miguez, de 34 anos, foi acusada de alugar os apartamentos e contratar os funcionários, bem como organizar o depósito das drogas.

Carlos Libardi da Silva, 33 anos, e Bernardo Salles, 25 anos, eram “homens de confiança”. Andre Alves, 22, Isabella Braga Da Silva, 20, e Shawi Attie, 30, também estão sendo julgados.

Todos os acusados brasileiros negam as cinco acusações de conspirar para fornecer drogas. O julgamento continua e ainda não tem data para terminar.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: