BRASIL: PGR ALERTA SOBRE POSSÍVEL ESTADO DE DEFESA

Imagem: Rosinei Coutinho(STF)

Não bastasse a sucessão de erros de gestão e o egocentrismo do presidente Bolsonaro à frente do país, o Procurador Geral da República, Augusto Aras, aponta em nota à imprensa algo que o governo federal deve ter em mente: decretar o estado de defesa, previsto no artigo 136 da Constituição Federal.

Vários veículos de comunicação brasileiros alardeiam a nota da PGR, não entendendo a razão do lançamento dessa informação na comunicação feita, dizendo que Augusto Aras é confuso ao se expressar. Negativo.

Aras presta um serviço ao país ao alertar a todos sobre esta carta na manga do presidente, que amarga o fracasso total no enfrentamento da pandemia no país.

Ele alerta sobre o clima de revolta que se instala no país, com vários pedidos de impeachment do presidente no parlamento e outros aportando na própria PGR que, segundo o próprio Augusto Aras, não tem a atribuição de dar andamento a esse tipo de processo.

O procurador geral fala do risco da expansão do descontentamento com o governo federal para outras áreas , em decorrência das mortes havidas no país, mormente em Manaus, atribuídas à incompetência do governo federal no enfrentamento da pandemia.

A comunicação de Aras remete a um raciocínio relativamente simples, em se tratando da personalidade do presidente Bolsonaro: se pressionado, acuado, poderá “fechar o país “, como medida salvadora do seu mandato.

Isto seria um retrocesso inimaginável ao país, que se consolidaria como um pária perante a comunidade internacional, trazendo medo e perigosas restrições aos brasileiros, sobretudo no que se refere às liberdades individuais, como de opinião e de imprensa.

Aqui você já sabe: virou notícia, Brasil Comenta.

Share and Enjoy !

0Shares
0

Author: José Vieira

Jornalista/Articulista, bacharel em Direito(aprovado na OAB), servidor público, professor do Centro de Estudos e Ensino em Segurança Pública e Direitos Humanos - CESDH, pós graduado em Direito da Comunicação Digital, com MBA em Gestão Pública,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *