COVID-19 NO BRASIL: GOVERNO DE SÃO PAULO RELUTA EM DECRETAR LOCKDOWN POR MEDO DO COMÉRCIO

Mesmo com hospitais como Albert Einstein e Sírio e Libanês sem leitos de UTI para Covid-19, o governador João Dória, temendo a reação do comércio e indústria, reluta em aceitar a realidade e decretar lockdown no estado.

Ele está, inclusive, criando certa animosidade com membros do comitê de Covid-19 do estado, porque não está endurecendo o suficiente as medidas de proteção.

Os paliativos até agora empregados não surtiram e continuarão a não surtir efeitos, ante ao aumento avassalador da contaminação e de mortes.

Se o governo adotasse uma alternância de fases, já ajudaria bastante, sendo uma semana fase vermelha e outra fase laranja. Não haveria a necessidade de fechar, por longo período, o comércio e as empresas.

Outra alternativa ao lockdown seria liberar o funcionamento de estabelecimentos comerciais por 24hs, de modo que fosse diluída a presença de pessoas. Um pacto entre Associação Comercial, Fiesp, Sindicatos e o Ministério Público do Trabalho renderia bom resultado, pois não inibiria o consumo, mantendo o faturamento dos estabelecimentos, ao mesmo tempo em que empregos seriam preservados e as medidas de isolamento prestigiadas, já que aglomerações seriam diluídas.

O mesmo poderia ser feito com os transportes coletivos, que deveriam ser aumentados, evitando muitas pessoas em ônibus, trens e metrô.

É hora de usar a objetividade e a criatividade. Não é possível que continuemos a ter um número crescente de contaminados sem nenhuma medida mais dura de combate. Não há mais leitos disponíveis em inúmeras localidades. Em três semanas, estima-se, não haverão mais leitos disponíveis de UTI no Estado de São Paulo.

Morte certa para contaminados em estado grave. 

Aqui você já sabe: virou notícia, Brasil Comenta.

Share and Enjoy !

Shares

Author: José Vieira

Jornalista/Articulista, bacharel em Direito(aprovado na OAB), servidor público, professor do Centro de Estudos e Ensino em Segurança Pública e Direitos Humanos - CESDH, pós graduado em Direito da Comunicação Digital, com MBA em Gestão Pública,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *