COVID-19 NO BRASIL : MORTES DISPARAM

O Brasil bate record de mortes pelo segundo dia consecutivo, com 1208 óbitos.

Já não há mais dúvidas sobre a total deficiência do governo federal em cuidar da população.

O atraso do governo em adotar medidas de proteção está apresentando sua fatura agora.

Governadores e prefeitos desesperados enquanto o presidente da República prossegue , como Dom Quixote, não usando máscara e gerando aglomerações.

Meu Deus, o que será necessário para que essa postura mude?

Será que ele não sabe que sua postura serve de exemplo para milhões de pessoas que, cegamente, confiam nele?

O povo tem grande parcela de responsabilidade também, haja vista os inúmeros casos de aglomerações dispersadas pelas autoridades, mas o exemplo deve vir de cima.

Enquanto governadores e prefeitos lutam por soluções e para minorar o problema, o governo se atrapalha na aquisição de vacinas e de insumos, quando isso já deveria ter sido providenciado .

O que dizer de pessoas morrendo por falta de oxigênio? Em pleno século XXI, como isso é possível?

Cidades grandes, em estados desenvolvidos, como São Paulo, com todo o esforço do governo estadual, já não aguentam mais! O que dirá de outras menores, e menos assistidas?

É hora das instituições começarem a funcionar. O povo não pode continuar morrendo impunemente, enquanto a irresponsabilidade campeia onde não seria, em hipótese alguma, admitida.

As variantes do vírus, muito mais letais, estão grassando no país, e os esforços isolados de estados e municípios já não se mostram suficientes.

Nosso país sucumbe à pandemia em meio a sorrisos, bravatas, deboches e violações de medidas sanitárias, como se essas condutas, no atual cenário, não fossem criminosas.

Precisamos de um governo federal que funcione. Os estragos são grandes e, de certo modo, irreversíveis, mas ainda há muitas vidas a serem salvas. Basta agir!

Aqui você já sabe: virou notícia, Brasil Comenta.

Share and Enjoy !

Shares

Author: José Vieira

Jornalista/Articulista, bacharel em Direito(aprovado na OAB), servidor público, professor do Centro de Estudos e Ensino em Segurança Pública e Direitos Humanos - CESDH, pós graduado em Direito da Comunicação Digital, com MBA em Gestão Pública,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *