Japão admite morte de funcionário de usina de Fukushima por radiação

Homem trabalhou na usina após tsunami de 2011

Homem trabalhou na usina após tsunami de 2011 REUTERS/Toru Hanai/19.5.2018

O Japão admitiu pela primeira vez que um funcionário da usina nuclear de Fukushima, destruída por um terremoto e um tsunami há mais de sete anos, morreu por exposição à radiação.

Um tremor de magnitude 9,0 atingiu o Japão em março de 2011, desencadeando um tsunami que deixou cerca de 18 mil mortos e provocando o pior desastre nuclear do mundo desde Chernobyl.

Na sexta-feira (31), o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-estar determinou o pagamento de indenização à família de um homem de 50 e poucos anos que morreu de câncer no pulmão, disse uma autoridade à Reuters por telefone.

O funcionário passou a carreira trabalhando em usinas nucleares por todo o Japão e trabalhou na usina Fukushima Daiichi, operada pela Tokyo Electric Power, ao menos duas vezes depois de março de 2011.

Ele foi diagnosticado com câncer em fevereiro de 2016, segundo a autoridade.

Anteriormente, o ministério havia descartado a exposição à radiação como causa das doenças de outros quatro funcionários de Fukushima, disse a autoridade, acrescentando que esta foi a primeira morte.

Mais de 160 mil pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas após o derretimento de reatores nucleares da usina.

Centenas de mortes foram atribuídas ao caos da retirada de pessoas durante a crise e ao sofrimento e trauma mental que os refugiados vivenciaram desde então, mas o governo disse que a radiação não era a causa.

A Tokyo Electric enfrenta uma série de pedidos de indenização pelo desastre.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: