Anúncios

Marcela, reformas e fantasmas: Veja melhores e piores momentos do 1º ano de Temer na Presidência

Publicidade

Na próxima sexta-feira (12) completa-se um ano que Michel Temer assumiu o Planalto após o impeachment de Dilma Rousseff; veja os melhores e piores momentos da temporada

REFORMAS
Elegeu a aprovação da trabalhista e da previdenciária como proa de seu governo. As propostas avançam na Câmara. Em dezembro, durante café da manhã com jornalistas, o presidente disse que ser impopular tem suas vantagens :

Um governo com popularidade extraordinária não poderia tomar medidas impopulares.

‘NÃO PENSE EM CRISE, TRABALHE’
No discurso de posse, Temer cravou este slogan ao contar que passava pela rodovia Castello Branco e viu a frase numa placa. ‘Gravei muito aquilo.’ A frase pegou mal num país com desemprego a 13,7% (14 milhões de pessoas).

Editoria de Arte/Folhapress

DANDO UMA MÃO
Em coluna de jul.16 na Folha, Elio Gaspari descreveu Temer discursando: ‘Não move os músculos do rosto’, gesticula ‘com alguma teatralidade’ e imposta a voz como ‘um sintetizador calibrado para um só tom’. Para analisar um vídeo que destaca o balé que ele faz com aos mãos ao falar em janeiro com seu núcleo institucional, convidamos o especialista em linguagem corporal Paulo Sérgio Camargo, autor de “Não Minta para Mim! Psicologia da Mentira e Linguagem Corporal (Summus, 2012).

“Ele coloca a palma da mão na mesa: indica que está no controle da situação. Aponta o dedo: trata-se de uma atitude professoral e por vezes impositiva. Une o polegar com o dedo indicador, a chamada ‘pinça’: sinal de que deseja explicar tudo nos mínimos detalhes. Mostra as palmas das mãos: indicativo de sinceridade, gesto muito utilizado por Barack Obama.”

Trabalho manual

LAVA JATO
Em fevereiro, Temer prometeu que afastaria ministros denunciados pela Procuradoria-Geral da República. São 8 dos 28 ministros implicados pela Odebrecht em caixa dois e corrupção, em delações divulgadas em abril. O presidente ‘esclareceu’ a linha de corte:só sai do cargo quem o Supremo transformar em réu.

Reprodução

SELO MICHELZINHO DE APROVAÇÃO
Caçula de cinco filhos do presidente, Michelzinho, 8, foi decisivo para a escolha da nova identidade visual do governo do pai (criticada por designers), segundo o publicitário Elsinho Mouco. “Quando entrou na sala, ele olhou e falou ‘que lindo’. […] Se uma criança gosta, é porque a gente tem algo puro. Foi o Michelzinho quem escolheu a marca”, disse à Folha em mai.16.

ESCOLA
Acompanhado da mulher, Temer buscou o caçula numa escola particular de Brasília, em julho. Detalhe: sua assessoria fez questão de avisar à imprensa antes. A tentativa de suavizar sua imagem pública saiu pela culatra, e pais de alunos reclamaram do enxame de repórteres no local.

Editoria de Arte/Folhapress

BELA, RECATADA E DO LAR
Dias antes de o marido assumir o lugar de Dilma, Marcela Temer, 33, foi tema de matéria da “Veja” com este título. A máquina de memes das redes sociais logo entrou em ação, unindo fotos como a de uma senhorinha mostrando o dedo do meio à hashtag #belarecatadaedobar.

Editoria de Arte/Folhapress

OS TRÊS MOSQUETEIROS
Ao assumir o Planalto, cercou-se da tríade de confiança, toda do PMDB: Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Eliseu Padilha (Casa Civil). Os dois últimos são investigados na Lava Jato, e Geddel caiu em novembro, após Marcelo Calero, então ministro da Cultura, acusá-lo de pressionar por um parecer favorável para liberar uma obra milionária em Salvador.

FORO ÍNTIMO
Temer deu status de ministro a Moreira na mesma semana em que o STF homologou 77 delações premiadas da Odebrecht (que, descobriu-se depois, citavam o aliado). O próprio presidente é mencionado por delatores, mas o procurador-geral, Rodrigo Janot, diz que ele tem ‘imunidade temporária’. Especialistas divergem sobre isso.

Editoria de Arte/Folhapress

FANTASMAS DO ALVORADA
Repercutiu até fora do país sua hipótese de que o Palácio da Alvorada é assombrado. À ‘Veja’, em março, explicou por que preferiu voltar ao Palácio do Jaburu, residência do vice: ‘Senti uma coisa estranha lá. Eu não conseguia dormir, desde a primeira noite. A energia não era boa. A Marcela sentiu a mesma coisa. Só o Michelzinho, que ficava correndo de um lado para outro, gostou. Chegamos a pensar: será que a aqui tem fantasma?’.

SATANISMO
Em depoimento, o marqueteiro João Santana disse que diminuiu as aparições de Temer (então vice de Dilma) em peças publicitárias da campanha de 2014 porque sua figura era relacionada ao satanismo, um deficit eleitoral. O peemedebista inclusive teve de reforçar a fé católica para tentar dissipar o rótulo, popular em sites evangélicos.

Editoria de Arte/Folhapress

TEMER & AS MULHERES
Polêmicas do presidente ao tratar da metade da população brasileira

Zero ministras
Não indicou nenhuma mulher em sua primeira leva ministerial. Hoje são duas entre 28 titulares da Esplanada: Grace Mendonça (Advocacia-Geral da União) e Luislinda Valois (Direitos Humanos).

Do lar
No Dia Internacional da Mulher (8/3), disse :

Tenho absoluta convicção, até por formação familiar e por estar ao lado da Marcela [Temer], do quanto a mulher faz pela casa, pelo lar. Do que faz pelos filhos.

Falta marido
Disse em entrevista ao ‘Programa do Ratinho’ (28/4): ‘Uma dona de casa, ela não pode gastar se o marido dela ganha R$ 5.000, […] senão ela vai quebrar o marido. […] Acho que os governos agora precisam passar a ter marido, viu, porque daí não vai quebrar’. A declaração rendeu um tuíte irônico de Simon Romero, ex-correspondente do ‘New York Times’ no país: ‘O presidente do Brasil disse a um cara chamado ‘Mouse’ [rato] que governos precisam de marido.’

Editoria de Arte/Folhapress

GLOSSÁRIO DO ‘MICHELÊS’
Entenda as palavras preferidas do ‘idioma’ presidencial

Acoelhar
Usou esta em 18/4 : ‘Não podemos nos acoelhar, achar que estamos numa situação delicada’. Significa ‘intimidar’.

Derruído
Citada no poema ‘Eu’, de seu livro de poesias ‘Anônima Intimidade’ (Topbooks, 2013). Quer dizer abatido, destruído

Sê-lo-ia
O famoso gosto pelas mesóclises apareceu no discurso de posse (“… sê-lo-ia pela minha formação…”) e foi diminuído. Explicou Temer em setembro: “Ontem li um artigo de um cidadão me criticando pelo fato de eu falar bem o português. Não uso mais’

Verba volant, scripta manent
Em dezembro de 2015, ainda como nº 2 de Dilma Rousseff, aderiu à expressão em latim (as palavras voam, os escritos permanecem) numa carta em que reclama de ser um ‘vice decorativo’. Começava assim: ‘Senhora Presidente, ‘verba volant, scripta manent’. [As palavras voam, os escritos se mantêm]. Por isso lhe escrevo’.

Caceteado
É a palavra que usa para se dizer irritado.

Exata e precisamente
Tem mania de lançar a expressão para reforçar seu ponto. Num único discurso, em 31/8/16, usou-a três vezes, como ao dizer: ‘Quando há um certo amargor das pessoas, e isso nós vimos nas ruas, é exata e precisamente em função do desemprego’.

Editoria de Arte/Folhapress
1 ano de presidente Temer - Popularidade
6 em 10 brasileiros avaliam gestão Temer como ‘ruim ou péssima’, segundo Datafolha
Anúncios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: