Anúncios

Os piores momentos da série ‘La Casa de Papel’

Quem ainda não assistiu já ouviu falar ou conhece alguém que está viciado. A série espanhola ‘La Casa de Papel’ chegou ao Netflix sem alarde no fim do ano passado, mas caiu no gosto dos brasileiros.

O sucesso foi tanto que as máscaras de Dali dos sequestradores invadiram os bloquinhos de carnaval. Até o Neymar se apaixonou. Fui conferir e não gostei. Até os filmes de ação de Bollywood são mais verossímeis que a trama policial sobre o assalto a Casa de Moeda espanhola.

Selecionei os piores momentos:

1 – Dois membros da quadrilha vão visitar (como turistas) a Casa da Moeda antes da ação. A ideia é verificar a posição das câmeras de segurança, mas antes de irem embora eles resolvem fazer amor no banheiro da instituição. Quem nunca transou escondido no banco que jogue a primeira pedra.

2 – O banheiro é tão agradável que o casal de bandidos passa a tarde namorando e batendo papo no local. Por sorte ninguém quis usar o vaso sanitário. Olha que azar: eles perderam a hora e esqueceram o carro no estacionamento, o que mais tarde se mostrou um problema. Isso porque o plano é super meticuloso.

3 – A negociadora escalada pela polícia para atuar no maior e mais midiático assalto da história da Espanha está atolada de trabalho. Não tem tempo nem para tomar banho antes de dormir (poucas horas) e voltar ao seu posto. Mesmo assim embalou uma paquera e depois marcou um jantar romântico com um moço que conheceu na hora do lanche em um café perto do teatro de operações. Detalhe: o rapaz é o líder dos bandidos.

4 – Detalhe: o encontro romântico foi marcado em uma conversa por celular. A negociadora estava na mesa de operações e o bandido/paquera sendo esmagado por um russo louco dentro de um carro pendurado em um guindaste.

5 – Quando deixa a mesa de operação para tomar um café na esquina a negociadora decide conversar por celular em voz alta no balcão da lanchonete sobre detalhes da estratégia policial. Olha que coincidência: o bandido estava do lado e ouviu tudo.

6 – O policial colega da negociadora é apaixonado por ela fica com ciúme do flerte com o rapaz da lanchonete – que também é o líder remoto do sequestro. Ele sai abandona o teatro de operações para tomar uma cidra com o bandido (e vai parar sem saber no quartel general remoto dos sequestradores).

Anúncios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: