Paralisação dos servidores de Valinhos afeta Saúde, Educação e Assistência Social


Funcionários públicos protestam após corte de benefício dado de acordo com a escolaridade do concursado. Servidores públicos de Valinhos (SP) pedem contraproposta da Prefeitura que compense corte em benefício
STMAVLM
A paralisação dos servidores públicos de Valinhos (SP), que começou na manhã desta terça-feira (11) com ato em frente ao Paço Municipal, afetou o funcionamento de três das 17 secretarias municipais: Educação, Saúde e Assistência Social, informou a Prefeitura. Servidores pedem novas propostas salariais após corte de benefício que existia há 32 anos.
Além das secretarias citadas, o Sindicato dos Trabalhadores Municipais e Autarquias de Valinhos, Louveira e Morungaba (STMAVLM) afirma que servidores das áreas de esporte, cultura e alnoxarifado aderiram à medida.
Segundo a administração, 70% do efetivo concursado na Secretaria da Educação está paralisado. Até esta publicação, ela ainda registrava quantas escolas foram fechadas. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) Imperial, Jurema e Paraíso não estão funcionando. A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) opera normalmente e, no Centro de Especialidades de Valinhos (CEV), funcionários chegaram a registrar o ponto, mas não estão trabalhando.
A Assistência Social opera com 50% do efetivo mas, de acordo com a Prefeitura, todas as crianças estão recebendo atendimento normalmente. O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) permanece fechado.
Corte do benefício
A Justiça determinou, no dia 23 de agosto, o corte imediato do pagamento de um bônus, chamado de adicional de estímulo, de 20% para servidores concursados em Valinhos com ensino superior completo e de 10% para os de ensino médio.
Segundo a Prefeitura, a decisão judicial foi provocada por uma ação do Ministério Público iniciada em 2012 e suspende um benefício que existia desde 1986, com alteração em 1992, e foi considerado inconstitucional.
De acordo com o Sindicato, a movimentação pede uma contraproposta do prefeito para compensar o corte.
Reunião nesta terça
Está prevista uma reunião nesta terça, às 15h, entre representantes do sindicato e o prefeito Orestes Previtale para discussão de novas propostas. Trabalhadores devem se reunir em assembleia às 17h para definir os rumos da paralisação.
A Prefeitura informou ainda que as negociações entre ela e o sindicato ocorrem desde o início do processo e que a reunião estava agendada para esta terça desde a semana passada.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas.

%d blogueiros gostam disto: