Ramiro vê Grêmio mais relaxado após “peso” da Libertadores

Ramiro disse que Grêmio tirou fardo das costas na Libertadores Crédito: Lucas Uebel / Grêmio / Divulgação / CP

Ramiro disse que Grêmio tirou fardo das costas na Libertadores Crédito: Lucas Uebel / Grêmio / Divulgação / CP Correio do Povo

O Grêmio goleou o Botafogo no sábado e conseguiu reduzir para seis pontos a distância para o líder São Paulo no Campeonato Brasileiro. A atuação, uma das melhores do time no segundo semestre, foi um reflexo da classificação na Libertadores da América, afirmou o volante Ramiro nesta segunda-feira. O camisa 17 avaliou que o elenco tirou um peso ao eliminar o Estudiantes e que agora joga mais relaxado no Brasileirão. “A classificação na terça nos tirou um fardo das costas. Por termos perdidos lá existia uma cobrança interna nossa de passar pelo Estudiantes. A classificação como foi, suada, batalhada, fez a gente se fortalecer mais. Diante do Botafogo, que vem em uma situação difícil na tabela, mas com bons jogadores, nós conseguimos dominar e partida para construir um placar elástico”, afirmou Ramiro. Mesmo tendo o confronto com o Atlético Tucumán pela Libertadores no dia 18, o técnico Renato Portaluppi adiantou que pretende usar os titulares sempre que for possível no Brasileirão. Ramiro afirmou que dentro do vestiário a intenção é dar a mesma atenção para os jogos das duas competições. “A gente vem acostumado a ter jogos importantes por estar disputando mais de uma competição. Quando caímos da Copa do Brasil deixamos claro que trataríamos as duas competições com a mesma importância e isso que temos procurado fazer”, analisou. Sem preferência por posição Diante do Botafogo, Ramiro voltou a jogar como volante ao lado após a saída de Maicon. Com a venda de Jaílson para o Fenerbahçe, a uma vaga está aberta no setor. O volante afirmou que não vê problemas em voltar a atuar na posição em que iniciou a carreira. “Eu atuei em diversas funções desde a base. Para mim é bem tranquilo. Tenho a adaptação natural por ter aprendido há bastante tempo. Me sinto bem à vontade e meu objetivo é estar ajudando. Comecei no Juventude com 11 anos. Cheguei até a jogar como zagueiro. Desempenhei essa função para ter uma leitura de jogo para o treinador na época. Isso é algo que sempre trabalhei e estou acostumado”, completou.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: