‘The New York Times’, ‘The Guardian’ e BBC passam a publicar no Facebook

Nove grandes companhias de mídia passam a publicar artigos e reportagens diretamente no Facebook, a partir desta quarta-feira (13). Cinco organizações americanas —Buzz Feed, “National Geographic”, “Atlantic”, NBC News e “The New York Times”— e quatro grupos europeus —”The Guardian”, BBC, “Bild” e “Spiegel Online” aderiram à iniciativa.

O Facebook espera adicionar novas empresas de notícias ao projeto, que oficialmente é um teste, e expandi-lo para outras versões que não a dedicada ao iPhone.

O programa começará com alguns poucos artigos, mas deve crescer rapidamente.

Divulgação
Com o Instant Articles, o Facebook quer manter os usuários no seu aplicativo mesmo quando clicarem para abrir reportagens
Com o Instant Articles, o Facebook quer manter os usuários no seu app mesmo ao abrir reportagens

O Facebook vai oferecer às empresas de notícias novas ferramentas para destacar seu trabalho, entre as quais mapas interativos e a capacidade de postar fotos de alta resolução que permitem zoom e visão pelos leitores em qualquer ângulo selecionado.

A expectativa é de que os “artigos instantâneos” sejam carregados até 10 vezes mais rápido do que seria normalmente, já que o leitor permanecerá no servidor do Facebook em vez de ir para outro site. A ideia começou a ser veiculada junto a cerca de 20 organizações noticiosas em agosto passado, e as preocupações que eles expressaram foram levadas em conta.

Jonah Peretti, presidente-executivo do BuzzFeed, disse que os artigos instantâneos são um formato melhor do que o atual, que envolve postar links.

“Esse novo modelo tem mais cara e jeito de app”, disse Peretti. “Creio que o nosso pacote de conteúdo vá se tornar ainda mais atraente se for carregado mais rápido”.

As empresas noticiosas poderão vender anúncios incorporados aos artigos —e manter toda a receita assim obtida— ou permitir que o Facebook venda anúncios —com comissão de 30% para a rede social. O Facebook também permitirá que as companhias obtenham dados sobre as pessoas que leem os artigos, usando as mesmas ferramentas que elas empregam para acompanhar o tráfego em seus sites.

Para o setor de notícias, a iniciativa do Facebook representa o mais recente exemplo de equilibrar necessidades opostas e vitais. A rede social, com mais de 1,4 bilhão de usuários ativos em todo o mundo, captura mais atenção de adeptos de dispositivos móveis —e propicia mais visitas a sites noticiosos— do que qualquer outro serviço virtual.

James Bennet, editor-chefe da revista “Atlantic”, um dos participantes iniciais do projeto, diz que publicar material por meio dos artigos instantâneos significa “perder o controle sobre seus meios de distribuição”. Por outro lado, afirma, “estamos tentando levar nossas reportagens ao maior número possível de pessoas, e ao mesmo tempo continuar a construir uma audiência leal e entusiástica”.

VISUALIZAÇÕES E ALGORITMOS

O Facebook tem um longo histórico de mudar o algoritmo que determina o que os usuários veem em seus feeds. A produtora de jogos móveis Zynga construiu seu negócio no Facebook, mas terminou perdendo boa parte de seu tráfego quando a companhia mudou suas regras e tornou a atividade de jogos de um usuário menos visível para seus amigos.

Em 2014, o Facebook decidiu rebaixar a importância de conteúdo viral como vídeos sobre gatos e promover conteúdo noticioso “de alta qualidade”. Um mês atrás, mudou de rumo de novo e passou a destacar posts pessoais dos amigos e familiares do usuário.

Chris Cox, vice-presidente de produtos do Facebook, não expressou arrependimento pelas mudanças de regras. Em entrevista na sede da empresa no Vale do Silício, ele disse que a missão do Facebook era dar aos usuários o que eles mais querem.

“Vemo-nos primeiro ajudando as pessoas a se conectarem com os amigos e a família”, disse Cox. “E depois ajudando-as a se manterem informadas sobre o mundo que as cerca”.

MERCADO

A “Atlantic” entra de olhos abertos na parceria com o Facebook, disse Bennet, em referência à perspectiva de que o Facebook possa ficar em posição de ditar termos menos favoráveis, caso sua importância para as empresas noticiosas cresça.

Para o “The New York Times”, a rede social representa entre 14% e 16% de seu tráfego na web —proporção que dobrou nos últimos meses, de acordo com Mark Thompson, o presidente-executivo da New York Times Co. “Trata-se de uma chance de expansão e de explorar se o Facebook pode se tornar parte ainda maior do nosso negócio”, disse Thompson. Em termos gerais, a companhia sente que essa é uma experiência da qual vale a pena tomar parte, ele acrescentou. O conteúdo no Facebook inicialmente não contará como parte do limite de 10 artigos mensais que as pessoas que não são assinantes do “Times” estão autorizadas a ler a cada mês, por exemplo.

“Não estamos tentando posicionar o Facebook como substituto do jornal, do programa de rádio que alguém ama, ou da TV, de jeito algum”, disse Cox. “Podemos ser complementares”.

O Facebook desempenha papel importante como direcionador de notícias. Cerca de metade dos usuários de Internet dos Estados Unidos dizem receber da rede de Zuckerberg notícias políticas, proporção quase tão grande quanto a dos que as recebem de canais locais de TV, de acordo com pesquisa do Pew Research Center no ano passado.

Declan Moore, vice-presidente de mídia da National Geographic Society, afirmou que o atrativo dos artigos instantâneos será a velocidade com a qual itens, mesmo os que incluam vídeos complexos e mapas interativos, poderão ser carregados, quando um usuário móvel do Facebook clica neles. “A principal coisa quanto aos serviços móveis é que eles precisam ser rápidos”, ressaltou o executivo.

A “National Geographic”, que recebe cerca de 25% de seu tráfego do Facebook, é um dos veículos noticiosos mais populares da rede social, com 35 milhões de fãs. Moore contou que a companhia tem um longo histórico de apresentar seu conteúdo no maior número possível de plataformas.

O veículo pretende usar o Facebook como meio de encorajar mais pessoas a se tornarem assinantes. De fato, o primeiro artigo instantâneo, sobre abelhas, apresentará dois anúncios para angariar assinaturas.

“The New York Times” encara com cautela o programa do Facebook, considerando-o como experiência que pode ajudá-lo a aprender mais sobre assinantes e potenciais assinantes que leem seus artigos no Facebook. Ao contrário de muitas organizações noticiosas, o “The New York Times” gera receita significativa com assinaturas digitais e publicidade on-line, e a empresa está muito interessada em descobrir novas maneiras de converter visitantes casuais em assinantes pagos.

As organizações noticiosas participantes disseram que não planejam colocar mais que alguns artigos por semana no novo formato, ao menos inicialmente.

“Estamos começando com algo que acreditamos vá trabalhar para algumas organizações noticiosas, alguns tipos de reportagem e alguns modelos de negócios”, disse Cox. “Não estamos tentando sugar e devorar tudo, nada disso”.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: