CRACOLÂNDIA DO CENTRO DE SÃO PAULO MOSTRA FRAGILIDADE ESTATAL

imagem: Estadão Jornal Estado de São Paulo- Internet
imagens: Facebook

Circula nas redes sociais um vídeo gravado recentemente, mostrando ataques de possíveis viciados a veiculos que passam em ruas da chamada “cracolândia” do centro da cidade de São Paulo (rua Helvétia e alameda Nothmann )

No vídeo é possível ver pessoas atacando carros com pedras, cadeiras, e qualquer outra coisa que possa danificar os veículos, na tentativa de fazê-los parar para roubar pertences dos condutores

Além de um problema criminal, principalmente no tocante ao policiamento ostensivo e preventivo, a questão demonstra total falha da prefeitura e do governo estadual em lidar com o assunto.

Não se pode afirmar que tenha faltado vontade aos gestores públicos para tratar de forma acertada o problema. Porém todas as medidas adotadas até agora se mostram inócuas.

O imbróglio é grande, pois envolve saúde publica, urbanização (habitações coletivas em condições sub-humanas), segurança pública (policiamento ostensivo contra o tráfico de drogas), abandono familiar, e suspeita de envolvimento pernicioso de entidades do terceiro setor protegendo interesses de traficantes, dentre outros possíveis fatores.

O que não pode continuar acontecendo são cenas como as do vídeo, que mostram quão frágil é a situação de um cidadão brasileiro, que ao trafegar pela via pública se vê acuado e vitimado pela violência que o Estado brasileiro não consegue eliminar ou controlar, apesar dos pesados impostos pagos pelos contribuintes.

Quem sabe o acesso internacional ao fato propicie maior discussão e troca de experiências que gerem ações eficientes, eficazes e efetivas para solucionar o problema.

Share and Enjoy !

Shares

Author: José Vieira

Jornalista/Articulista, bacharel em Direito(aprovado na OAB), servidor público, professor do Centro de Estudos e Ensino em Segurança Pública e Direitos Humanos - CESDH, pós graduado em Direito da Comunicação Digital, com MBA em Gestão Pública,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *