SEGURANÇA PÚBLICA: “BIQUEIRA” EM PRESÍDIO DE SEGURANÇA MÁXIMA EM SP

Lamentável constatação: o Estado brasileiro não consegue evitar o ingresso de drogas nas instalações penais, além de celulares.

Já é sabido e notório que os presos têm acesso a celulares naos presídios brasileiros, a ponto de aplicarem golpes nos cidadãos, contando com ajuda externa.

Os famosos golpes aplicados por meio do aplicativo “WhatsApp ” e outros referentes a supostos sequestros relâmpagos ganharam o país.

Não bastasse isso, o ingresso de drogas aparentemente continua, apesar dos esforços governamentais.

Líderes das chamadas facções criminosas continuam afrontando o poder público e toda a sociedade, com sua ousadia e possível colaboração de parentes, além de eventual vista grossa de servidores.

Em um pais com tantos especialistas, não é crível que, há tantos anos lidando com o problema, alguma atitude mais eficaz e efetiva não tenha surgido.

Os estados têm certa autonomia para cuidar de suas instituições penais, mas seria necessário um consenso nacional sobre esse e outros temas da Segurança Pública.

O país vive uma letargia no setor, fazendo surgir cenas até ridículas de ladrões agindo com bicicletas e a cavalo.

O Brasil está parado no contexto legislativo: após a reforma da previdência nenhuma medida de interesse da sociedade, em áreas delicadas como a Segurança Pública, Tributação, Educação e Empregos, por exemplo.

A pandemia não pode parar o país. Férias legislativas não tem a menor cabida em um ano atípico como este.

Até o momento, tanto o Orçamento, como a Lei de Diretrizes Orçamentárias não foram aprovadas.

O Executivo e o Legislativo federal devem continuar trabalhando no combate à pandemia, porém, não devem se esquecer de que há outros problemas sérios, que matam silenciosamente as esperanças de milhares de brasileiros.

Aqui você já sabe: virou notícia, Brasil Comenta!

 

Share and Enjoy !

Shares

Author: José Vieira

Jornalista/Articulista, bacharel em Direito(aprovado na OAB), servidor público, professor do Centro de Estudos e Ensino em Segurança Pública e Direitos Humanos - CESDH, pós graduado em Direito da Comunicação Digital, com MBA em Gestão Pública,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *